Analysis of Online Consumer Behavior

Bellow is an infographic that helps you understand the behavioral characteristics of online consumers, but also to obtain answers to several important questions. Some of these questions are:

  1. What are online shopper demographics?
  2. Why do people prefer to buy shop online?
  3. What are the most common reasons why people don’t shop online?
  4. What are the various online spending trends in different retail sectors?

Como as pessoas gastam o seu tempo na Internet?

A Internet é, actualmente, o meio mais utilizado de comunicação e de pesquisa de informação. No seguinte infográfico é possível ter uma percepção geral de como as pessoas gastam o seu tempo na Internet. Este infográfico foi realizado pela Visual Economics e procura dar uma visão geral do tempo total dispendido na Internet, os sites mais populares, a utilização das redes sociais e outras típicas actividades diárias praticadas na Internet.

Read More


Como as cores afectam as compras?

Para muitos peritos o segredo para as pessoas fazerem compras é a arte da persuasão. Embora existam muitos factores que influenciam o que e como os consumidores compram, uma grande parte é motivado pelos aspectos visuais, sendo a cor associada ao produto e à loja uma das principais causas.

É possível saber mais sobre a psicologia da cor e como ela influencia as compras através do seguinte infográfico.

Read More


SLATES, técnicas da Web 2.0 em sites empresariais

O marketing e a publicidade on-line mudaram bastante com o surgimento da Web 2.0. As empresas já não podem simplesmente comunicar, mas devem também aprender a interagir. A publicidade deixou de ser uma via unidireccional, onde a empresa emite uma mensagem que o consumidor recebe. A Internet é feita de pessoas, a publicidade deve agora basear-se no relacionamento entre a empresa e as pessoas, que devem ser encaradas como potenciais clientes.

Andrew McAfee definiu 6 características através do acrónimo SLATES (Search; Links; Authoring; Tags; Extensions; Signals) que podem potenciar empresas neste paradigma da Web 2.0.

  • Procura (Search): Deve ser possível aos utilizadores pesquisarem informação através de um motor de pesquisa presente no próprio site, sendo essa pesquisa o mais inteligente possível. Por outro lado os sites criados devem estar optimizados para os diversos motores de busca (Google, Bing, Yahoo) fazendo uso de técnicas de SEO.
  • Links: Promover uma ligação de informação inteligente e intuitiva, com poucas barreiras a um nível social. Como a utilização de links em locais estratégicos, como no fundo de todas as páginas. Também procurando colocar links em locais estratégicos na Internet, como por exemplo em sites de empresas parceiras.
  • Dar a voz às pessoas (Authoring): Deve ser estimulada a participação activa por parte dos visitantes dos sites, nomeadamente encorajando e fornecendo a possibilidade de comentarem os artigos publicados. Criando canais de comunicação como o Twitter ou o Facebook também facilitam a uma maior aproximação aos potenciais clientes acabando por encorajar à sua maior participação para com a empresa.
  • Tags: Deve ser feita uma categorização de conteúdos através de tags, de forma a facilitar a pesquisa desses conteúdos pelas pessoas e facilitar a percepção dos assuntos que a empresa trata.
  • Extensões (Extensions): Recorrer a tecnologias mais dinâmicas e avançadas, tornando os diferentes sites mais modernos. Um exemplo será numa loja on-line informar o utilizador de que quem comprou um determinado produto X também adquiriu os produtos Y e Z. Ou criar mecanismos que informem os utilizadores dos produtos mais adequados para eles.
  • Enviar sinais (Signals): Usar tecnologias de sindicação (feeds) que permitam aos utilizadores receberem notificações de novos conteúdos. Outra hipótese é a criação de uma newsletter periódica.

Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/SLATES


Noções sobre Usabilidade no Web design

A Usabilidade pretende estudar a facilidade de utilização e compreensão de uma interface, estando directamente ligada à facilidade que o utilizador tem em alcançar os seus objectivos. O estudo da Usabilidade numa aplicação Web é particularmente importante para tornar o site mais eficiente e produtivo. Este artigo pretende dar algumas noções sobre este assunto.

A Usabilidade pretende estudar a facilidade de utilização e compreensão de uma interface, estando directamente ligada à facilidade que o utilizador tem em alcançar os seus objectivos. O estudo da Usabilidade numa aplicação Web é particularmente importante para tornar o site mais eficiente e produtivo. Este artigo pretende dar algumas noções sobre este assunto.

Read More


Introdução à tipografia para a Internet

alfabeto

Imagem retirada do site 72dpi.

A tipografia pode ser considerada como uma arte, que tem como principal objectivo esculpir a informação escrita, procurando melhorar a comunicação entre o escritor e o leitor. A tipografia tem, claramente, um papel fundamental na passagem da mensagem pretendida.

As fontes a utilizar

Relativamente à tipografia na Web, não tem interesse ter-se uma grande quantidade de fontes para se utilizarem na construção de um site, uma vez que o número de fontes suportadas, por defeito, nos diferentes sistemas operativos é muito reduzido, sendo posteriormente essas as fontes tipicamente disponíveis aos visitantes das páginas. Esta lista de fontes suportadas em todos os sistemas operativos é vulgarmente conhecida por the safe list. Existem formas de utilizar fontes fora desta lista. Contudo, estes métodos ainda não são suportados por alguns browsers de Internet.

É tipicamente recomendável o uso de uma font stack por forma a manter um design constante em diferentes sistemas operativos e em diferentes browsers.

Comprimento da linha

Para além do tipo de fonte, é também importante o comprimento da linha do texto. Linhas de texto curtas ou demasiado longas podem causar irritação ou um elevado grau de distracção para o leitor. Linhas demasiado curtas apenas devem ser utilizadas para textos muito pequenos, porque para textos grandes forçam o leitor a exageradas mudanças de linha o que acaba por ser um obstáculo à leitura. Relativamente a linhas excessivamente longas, estas tornam difícil a localização da próxima linha a ler, quando o leitor termina de ler a linha anterior. Para os principais conteúdos deverá ser respeitada uma medida entre 40 a 80 caracteres (incluindo espaços) para cada uma das linhas. Idealmente deve-se tentar atingir uma medida na ordem dos 65 caracteres.

Contraste

O contraste do texto é também muito importante para uma correcta leitura do seu conteúdo. Um aspecto importante a evitar é a utilização de cores complementares para as combinações entre o texto e seu respectivo fundo. Cores complementares são as cores que se situam do lado oposto uma da outra nos sistemas de cores. No sistema HSV são facilmente identificadas as cores complementares.

Tamanho da letra

O tamanho é outro aspecto a ter em conta. Existem alguns sites na Internet, inclusivamente já na era da Web 2.0, que insistentemente utilizam fontes muito pequenas em algumas porções de texto ou inclusivamente no texto todo. Se existe texto numa página, então deve-se conseguir ler facilmente o seu conteúdo, sendo que a adopção de fontes de tamanho muito pequeno em nada ajuda à leitura. Por conseguinte, sempre que possível, é aconselhável a utilização de tamanhos de fonte grandes e nunca abaixo dos 11 pixels.

Hierarquia

A hierarquia ao nível da importância de cada pedaço de texto presente numa página é um aspecto de grande influência na mensagem que se pretende passar ao visitante. Os diferentes tamanhos permitem, por um lado, evidenciar os elementos mais importantes numa página e, por outro, possibilitar a visualização de algo muito semelhante a um sumário sobre os assuntos que trata o site. Isto porque mesmo através de um simples piscar de olhos conseguem ser focados os temas e ideias principais de uma forma automaticamente estruturada pelo visitante. É aconselhável que o tamanho seja consistente ao longo de todas as páginas do site para manter alguma uniformização entre o mesmo tipo de componentes.

A localização dos conteúdos

Os visitantes reagem também de forma diferente aos textos conforme a sua localização na página. Tipicamente os textos colocados no corpo principal da página terão um impacto superior aos encontrados numa barra-lateral. Contudo, se pretendermos captar uma maior atenção do leitor para a barra-lateral, poderemos compensar, por exemplo, com um aumento do tamanho da letra nesta mesma barra-lateral. Particularmente neste aspecto da localização, é importante seguir algumas das convenções utilizadas na Internet de modo ao utilizador agir de forma instintiva ao primeiro contacto com a página.

A regra de Gutenberg dá algumas indicações importantes sobre este assunto, é possível ler alguma informação (em Inglês) sobre esta regra no site da NuvoGraphics.

Dar espaço para o texto respirar

O texto deve conseguir respirar e para isso deve ter espaço. Esse espaço permite focalizar a atenção do visitante no próprio texto que acaba por ser o mais importante para transmitir a mensagem. Uma regra seguida por muitos webdesigners é estabelecer, através do CSS, um espaçamento entre linhas de 140% o tamanho do texto.

Estes são alguns dos aspectos que penso serem importantes na âmbito da tipografia na Internet, se tiverem outros que considerem relevantes não hesitem em partilhar.


A tipografia utilizada nos logótipos da Web 2.0

logos-tipo-small

O logótipo pretende representar graficamente uma determinada marca e para isso faz uso de um desenho, de uma tipografia específica ou de uma fusão de ambos. Neste artigo são listadas as fontes utilizadas nos logótipos de algumas das empresas mais influentes na era da Web 2.0 e são também recomendadas mais 10 fontes, gratuitas, que penso serem adequadas à criação de logótipos semelhantes aos dessas empresas.

Read More


Comunicação através da Internet na era Web 2.0

Já no século IV a.C. Aristóteles afirmava que “O Homem é um animal social”, passados cerca de 2300 anos a realidade permanece e o Homem continua a ser naturalmente carente, necessitando de comunicar com outras pessoas para alcançar a sua plenitude. Contudo, e apesar desta necessidade permanecer inalterada, a Internet, e especialmente a forte adopção das ideias da Web 2.0, veio alterar drasticamente a forma de comunicação entre as pessoas.

O meio de comunicação agora usado com frequência é a Internet, permitindo o contacto quase instantâneo com qualquer pessoa no mundo. Criam-se por vezes redes bastante complexas e ampliadas, através de serviços como o Twitter ou o Facebook, que definem a nossa actividade social na Internet. Ainda assim, continuam a existir alguns núcleos bem definidos onde estão os nossos contactos mais próximos e outros que inclusivamente já conhecemos pessoalmente. Quanto a mim, o maior potencial das aplicações sociais da Web 2.0 é a facilidade com que estes núcleos rapidamente se interligam entre si e também a comodidade com que podemos saltar entre estes conjuntos diferentes de pessoas assumindo rapidamente contextos e papéis diferentes. Desta forma, é assim possível chegar mais comodamente e mais rapidamente a um maior número de pessoas.

No entanto, toda esta facilidade tem um inconveniente que é a falta de um convívio mais natural e transparente entre as pessoas. A Internet ainda não permite um nível de imersão suficiente que possibilite com que as pessoas se relacionem mais espontaneamente e a um nível mais íntimo. Nas interacções com as pessoas que não conhecemos pessoalmente, a Internet desempenha um papel maioritariamente com objectivos profissionais ou ao nível de troca de informações de carácter mais impessoal.

levels-intimacy-communication

Imagem da autoria de Ji Lee’s, clicar aqui para ampliar.

Ainda assim e apesar de estar normalmente associado um nível mais baixo de intimidade a serviços como o Twitter (e até o Facebook) estes podem claramente ter um papel importante num primeiro contacto entre as pessoas. Como referi podem ser excelentes formas de conhecer mais pessoas e também pessoas fora do nosso núcleo habitual do quotidiano, com as quais posteriormente se poderá construir gradualmente algumas amizades.

Não é viável, nem saudável, que a Internet seja o meio exclusivo de comunicação entre as pessoas, mas caso se consiga tirar partido o máximo partido das suas vantagens e atenuar os seus maiores defeitos penso que será cada vez mais um instrumento de união entre todos nós.