Noções sobre Usabilidade no Web design

A Usabilidade pretende estudar a facilidade de utilização e compreensão de uma interface, estando directamente ligada à facilidade que o utilizador tem em alcançar os seus objectivos. O estudo da Usabilidade numa aplicação Web é particularmente importante para tornar o site mais eficiente e produtivo. Este artigo pretende dar algumas noções sobre este assunto.

A Usabilidade pretende estudar a facilidade de utilização e compreensão de uma interface, estando directamente ligada à facilidade que o utilizador tem em alcançar os seus objectivos. O estudo da Usabilidade numa aplicação Web é particularmente importante para tornar o site mais eficiente e produtivo. Este artigo pretende dar algumas noções sobre este assunto.

Componentes de Usabilidade

Jakob Nielsen, considerado pelo jornal The New York Times como “o guru da usabilidade em páginas de Internet”, definiu Usabilidade em cinco componentes diferentes:

  • Capacidade de Aprendizagem: Facilidade para os utilizadores realizarem tarefas básicas na primeira vez que encontram o site;
  • Eficiência: Rapidez com que os utilizadores podem executar tarefas depois de terem compreendido o design;
  • Memória: Facilidade com que os utilizadores conseguem ser eficientes quando voltam ao site, após um período de tempo sem o utilizar;
  • Erros: Quantos erros os utilizadores fazem, qual a sua gravidade e como conseguem os utilizadores recuperar desses erros;
  • Satisfação: Grau de satisfação dos utilizadores ao utilizar o site.

Principio de George A. Miller’s

Deve-se seguir o princípio dos 7+-2 que surgiu fruto dos estudos de George A. Miller’s, onde é defendido que os humanos apenas conseguem reter entre 5 a 9 coisas na sua memória de curta duração. Assim, por exemplo deve-se, tipicamente, procurar limitar o número de opções dos menus a 7 opções distintas.

Regra dos 3 cliques

A regra dos 3 cliques defende que os utilizadores deixam de utilizar um site de Internet se com 3 cliques não conseguirem encontrar a informação que procuram. O mecanismo de navegação e estrutura hierárquica dos sites a construir deve ser pensado tendo em conta esta regra. Esta regra pode, contudo, não ser obrigatoriamente cumprida, caso o utilizador saiba onde está em cada momento da sua navegação e tenha uma percepção completa de como o sistema funciona.

Fitt’s Law

Identificada por Paul Fitts em 1954, a Fitt’s Law é um modelo que estuda o tempo para chegar a uma determinada área em função da sua distância e tamanho do alvo. Esta lei defende que, quanto mais distante e mais pequeno o alvo for, mais tempo é necessário a atingir esse alvo. Esta lei faz todo o sentido quando se trabalha com movimentos de rato e quando se pretende chegar do ponto A ao ponto B. De forma a respeitar este modelo, devem-se, por exemplo, usar botões de tamanho relativamente grande e em localizações próximas de onde o utilizador supostamente estará com o rato posicionado.

Simplicidade e facilidade de interacção

Aquando da primeira vez que os utilizadores interagem com um site, normalmente apreciam um design visual pormenorizado e imagens complexas. Contudo, posteriormente a essa visita, eles apenas pretendem utilizar esse site de uma forma rápida e que responda em conformidade com as suas rotinas.

Se uma interface web for de uso difícil, se for confusa, se não transmitir a mensagem chave da aplicação, se não permitir entender o que existe naquela aplicação, se for cansativa e mal organizada, entre outras questões, o visitante não irá continuar a navegar. Relativamente a sites de venda de produtos ou de promoção de empresas, o volume de negócios da empresa pode ser bastante prejudicado caso exista uma fraca Usabilidade.

Design de interfaces

Com os seus estudos ao nível do design de interfaces, Ben Shneiderman propôs um conjunto de princípios que derivam da experiência dos utilizadores e que se podem aplicar à maioria dos sistemas interactivos, podendo também ser aplicados no Web Design.

  • Procurar ser consistente;
  • Permitir aos utilizadores utilizar atalhos;
  • Oferecer feedback informativo;
  • Desenhar de forma a ser-se autocontido;
  • Oferecer mensagens de erro simplificadas;
  • Permitir a correcção de acções efectuadas;
  • Dar a noção de controlo ao utilizador;
  • Reduzir a informação de curta duração ao utilizador;

Testes de Usabilidade

Jakob Nielsen comprovou que o número de problemas de usabilidade encontrados num teste de usabilidade seguia a fórmula: formula_Jakob_Nielsen, onde é o número total de problemas de usabilidade, a percentagem de problemas descobertos por um utilizador de testes e o número de utilizadores de teste. Sabendo que o número tem tipicamente o valor de 31% e traçando o gráfico da função rapidamente se chega à conclusão que 5 é o valor ideal para o número de utilizadores de teste.

Problemas de Usabilidade

Assim, devem ser utilizados apenas 5 utilizadores de teste procurando evitar feedback repetitivo sobre os problemas de usabilidade e procurando manter uma equipa de testes mais coesa.

Existem mais conceitos importantes relativos a este tema, estas são apenas algumas das noções que procuro seguir quando desenvolvo sites para a Internet.

Componentes de Usabilidade

Jakob Nielsen, considerado pelo jornal The New York Times como “o guru da usabilidade em páginas de Internet”, definiu Usabilidade em cinco componentes diferentes:

  • Capacidade de Aprendizagem: Facilidade para os utilizadores realizarem tarefas básicas na primeira vez que encontram o site;
  • Eficiência: Rapidez com que os utilizadores podem executar tarefas depois de terem compreendido o design;
  • Memória: Facilidade com que os utilizadores conseguem ser eficientes quando voltam ao site, após um período de tempo sem o utilizar;
  • Erros: Quantos erros os utilizadores fazem, qual a sua gravidade e como conseguem os utilizadores recuperar desses erros;
  • Satisfação: Grau de satisfação dos utilizadores ao utilizar o site.

Principio de George A. Miller’s

Deve-se seguir o princípio dos 7+-2 que surgiu fruto dos estudos de George A. Miller’s, onde é defendido que os humanos apenas conseguem reter entre 5 a 9 coisas na sua memória de curta duração. Assim, por exemplo deve-se, tipicamente, procurar limitar o número de opções dos menus a 7 opções distintas.

Regra dos 3 cliques

A regra dos 3 cliques defende que os utilizadores deixam de utilizar um site de Internet se com 3 cliques não conseguirem encontrar a informação que procuram. O mecanismo de navegação e estrutura hierárquica dos sites a construir deve ser pensado tendo em conta esta regra. Esta regra pode, contudo, não ser obrigatoriamente cumprida, caso o utilizador saiba onde está em cada momento da sua navegação e tenha uma percepção completa de como o sistema funciona.

Fitt’s Law

Identificada por Paul Fitts em 1954, a Fitt’s Law é um modelo que estuda o tempo para chegar a uma determinada área em função da sua distância e tamanho do alvo. Esta lei defende que, quanto mais distante e mais pequeno o alvo for, mais tempo é necessário a atingir esse alvo. Esta lei faz todo o sentido quando se trabalha com movimentos de rato e quando se pretende chegar do ponto A ao ponto B. De forma a respeitar este modelo, devem-se, por exemplo, usar botões de tamanho relativamente grande e em localizações próximas de onde o utilizador supostamente estará com o rato posicionado.

Simplicidade e facilidade de interacção

Aquando da primeira vez que os utilizadores interagem com um site, normalmente apreciam um design visual pormenorizado e imagens complexas. Contudo, posteriormente a essa visita, eles apenas pretendem utilizar esse site de uma forma rápida e que responda em conformidade com as suas rotinas.

Se uma interface web for de uso difícil, se for confusa, se não transmitir a mensagem chave da aplicação, se não permitir entender o que existe naquela aplicação, se for cansativa e mal organizada, entre outras questões, o visitante não irá continuar a navegar. Relativamente a sites de venda de produtos ou de promoção de empresas, o volume de negócios da empresa pode ser bastante prejudicado caso exista uma fraca Usabilidade.

Design de interfaces

Com os seus estudos ao nível do design de interfaces, Ben Shneiderman propôs um conjunto de princípios que derivam da experiência dos utilizadores e que se podem aplicar à maioria dos sistemas interactivos, podendo também ser aplicados no Web Design.

  • Procurar ser consistente;
  • Permitir aos utilizadores utilizar atalhos;
  • Oferecer feedback informativo;
  • Desenhar de forma a ser-se autocontido;
  • Oferecer mensagens de erro simplificadas;
  • Permitir a correcção de acções efectuadas;
  • Dar a noção de controlo ao utilizador;
  • Reduzir a informação de curta duração ao utilizador;

Testes de Usabilidade

Jakob Nielsen comprovou que o número de problemas de usabilidade encontrados num teste de usabilidade seguia a fórmula: formula_Jakob_Nielsen, onde é o número total de problemas de usabilidade, a percentagem de problemas descobertos por um utilizador de testes e o número de utilizadores de teste. Sabendo que o número tem tipicamente o valor de 31% e traçando o gráfico da função rapidamente se chega à conclusão que 5 é o valor ideal para o número de utilizadores de teste.

Problemas de Usabilidade

Assim, devem ser utilizados apenas 5 utilizadores de teste procurando evitar feedback repetitivo sobre os problemas de usabilidade e procurando manter uma equipa de testes mais coesa.

Existem mais conceitos importantes relativos a este tema, estas são apenas algumas das noções que procuro seguir quando desenvolvo sites para a Internet.